Quais as diferenças entre  “propósito” e “missão” ?

Missão

“Missão” define as próximas ações da empresa

“Propósito” é a paixão que tira qualquer funcionário da cama com um sorriso no rosto e com vontade de mudar o mundo.

Dinheiro é a vida e o sangue de qualquer empresa, isso a gente sabe.

O que pouca gente parece se perguntar, por mais icônica que seja a pergunta, é:

“Qual é a alma do negócio?”

Se você nunca preencheu um plano de negócios, ou se nem sabe o que é isso:

Um plano de negócios é uma descrição detalhada da personalidade de um projeto.

“Personalidade”, por sua vez, é um conjunto de características que definem: as prioridades, a voz, e o jeito de agir de uma organização.

Um plano de negócios não pode deixar de perguntar coisas como a previsão de lucro para os próximos anos

Outro ponto que precisa ser abordado é qual será o público-alvo das campanhas de marketing

  • Qual é o porquê da empresa existir?
  • Além dos serviços que a empresa oferece, qual diferença positiva e empolgante esse negócio resulta para o consumidor e para as pessoas tocadas pela marca?
  • Por que você faz o que faz?
  • O que tira você da cama para se dedicar a essa ideia?

Essas perguntas ajudam a descrever e declarar a alma do negócio – o propósito.

Por que essas perguntas confundem tanto?

Especialmente quando estamos acostumados a fazer tudo do mesmo jeito de sempre

Pelo menos até as condições do mercado nos obrigarem a agir diferente

Assimilar a importância de questionamentos específicos feito esses soa mais raso e desnecessário do que urgente.

Sem falar que cada companhia parece ter um jeito próprio de declarar seus “porquês”

Algumas têm só uma visão; outras só uma missão; e algumas só um propósito.

Assim fica difícil ter referências sólidas, que direcionam empreendedores a responderem as perguntas certas para obterem os resultados desejados.

Se você nunca preencheu um plano de negócios e precisa de ajuda na tarefa de entender ou comunicar a personalidade e o posicionamento do seu negócio, dá um oi pra WHB.

A gente ajuda pessoas como você – e negócios de qualquer tamanho – a olhar a empresa e o mercado de cima para virar o jogo! 🦒

“Missão” x “Propósito”

A diferença entre missão e propósito é que:

  • Missões orientam as prioridades técnicas de uma empresa durante um intervalo de tempo sendo substituídas por novos modelos de ação a depender dos ciclos burocráticos e/ou orçamentários.
  • Já o propósito é uma chamada de ação para engajar outros seres humanos na causa da empresa através de uma mensagem passional e atemporal – que toca corações e atravessa diferentes ciclos de administração e/ou as condições do mercado.

Para ficar mais claro, abaixo tem um exemplo de missão e de propósito de uma mesma empresa – a Sony. Comecemos pelo propósito:

  • Nosso propósito é elevar a cultura japonesa ao status internacional e ser pioneira fazendo algo original, impossível, e assim inspirar indivíduos a serem criativos e desenvolverem suas próprias soluções e habilidades através da nossa tecnologia.

Já a missão da Sony neste ano é:

  • A missão da Sony sempre foi inspirar e satisfazer a necessidade de seus consumidores apaixonados por tecnologia, e nesta nova fase (em 2021) a Sony está empoderando a diversidade de negócios e criadores independentes para que essas empreitadas façam “o que os outros não fazem” na área de desenvolvimento empresarial, robótica e inteligência artificial. Estamos apoiando formas inéditas (inovadoras) de experimentar shows pela internet, de captar e reproduzir o som mais fiel possível em produções audiovisuais, e popularizar artistas que utilizam dessas tecnologias para compartilhar paixões e experiências com milhões de usuários por vez – sem comprometimento de qualidade.

Ou seja, o propósito da Sony é amplo e atemporal: um desejo que vai direcionar as ações da empresa por anos no futuro, já somados aos anos do passado em que a Sony buscou exatamente isso – elevar a cultura japonesa ao status internacional de uma empresa pioneira e empoderadora.

Afinal, são as câmeras e dispositivos de gravação de áudio da Sony que permeiam Hollywood nas produções dos filmes e dos álbuns que você mais adora no Netflix ou Spotify, por exemplo.

Já a missão da Sony para 2022?

Fazer mais pessoas criarem usando as ferramentas da empresa, e promover desafios online para criadores independentes também consumirem, produzirem e compartilharem conteúdos criados sob a tecnologia da marca.

Dados como quantas vendas a Sony precisa fazer no período, ou o quanto de lucro ela espera tirar dessa missão, ou a porcentagem de conversão de criadores usando outras plataformas que passarão a utilizar as plataformas da Sony, são informações a serem explicitadas no plano de negócios da empresa para 2022.

Responder essas perguntas ilustra como cada etapa no processo de definir a personalidade de um negócio é intrínseca para saber quais ações e para quais pessoas esse negócio precisa investir recursos – ou descolar recursos de investidores, vindos de fora da companhia.

Dessa forma a Sony busca atender a própria missão antes que chegue o réveillon: a de popularizar a criatividade sem comprometer a qualidade, através das vendas de produtos tecnológicos de ponta que registrem som e imagem com a menor perda de qualidade possível.

Anatomia da “missão”

Uma missão:

  • Opera um negócio com estratégias;
  • Direciona recursos para realização de objetivos específicos e com prazos;
  • Define os papéis de cada participante no processo de transformar em realidade a visão do que será alcançado através da completude da missão.

Qualquer empreendedor sabe que as prioridades e estratégias para alcançar metas precisam mudar conforme a exigência de inúmeras fontes: das condições do mercado à brand awareness (processo de tornar uma marca reconhecível entre potenciais consumidores).

Por isso, de anos em anos, um negócio precisa redefinir a missão vigente para atender as necessidades do novo período de atividades no calendário.

É normal vermos empresas usando a declaração de missão para descrever quais produtos ou serviços elas oferecem – e apesar de não ser errado, é uma prática que poderia ser melhor explorada para conquistar investimentos maiores ou a confiança de clientes em potencial.

Dessa forma, uma empresa pode responder de maneira eficiente às questões do momento, direcionar o dinheiro para os setores certos, e fazer a missão se tornar realidade até o fim do prazo.

Anatomia do “propósito”

Enquanto a missão opera um negócio, o propósito:

  • É cultural;
  • É atemporal;
  • Compartilha um sonho;
  • É mais passional que técnico;
  • Conta a história de origem da organização;
  • Forma comunidades, não só times;
  • Nunca é alcançado porque é o “verdadeiro norte” – o que faz uma empresa ir além dos próprios limites a cada nova missão proposta.

O fato de que uma empresa jamais poderá “alcançar” um propósito deixa claro que a função dessa palavra na linguagem dos negócios tem mais a ver com impulsionamento do que com produção.

Propósito não é um indicador do comportamento técnico da organização para os próximos meses.

Propósito é uma razão existencial – um combustível moral para alcançar progressos definidos a partir de reflexões como:

  • Por que a empresa começou?
  • Por que está seguindo o caminho que está seguindo?
  • O que a companhia quer “corrigir” no mundo que só ela pode fazer?
  • Quais mudanças poderemos ver na sociedade por causa da empresa daqui a 100 anos?

A declaração de propósito esclarece quais são os valores da organização, como e por que ela se posiciona dessa forma, e como a empresa pratica esses princípios.

Não vai ser sempre que as declarações de missão, visão e valores vão incluir um propósito.

Só que sem propósito, o que sobra é uma descrição emperequetada “do que” a empresa faz – não o impacto que ela gostaria de causar.

Se você não acha que ter um propósito faz diferença, pergunte ao CEO das locadoras Blockbuster por quais motivos a empresa faliu (com uma dívida de 1 bilhão de dólares)…

Você sabia dessas diferenças entre propósito e missão?

Produção, resultados e metas são componentes de uma missão que muda de tempos em tempos para manter um negócio vivo por meses (ou anos) correndo atrás de um tipo específico de sucesso.

Um propósito exige dedicação e paixão por todo o tempo de existência da organização – não apenas alguns meses ou anos direcionando esforços para um objetivo em particular.

Saber a diferença entre um processo e outro é o que traz vantagens para gerentes e diretores expressarem – e tornarem realidade – as visões de grandeza numa empreitada ou produto.

Ignorar essa diferenciação não é mortífero, mas pode atrasar significativamente os esforços de sair do status quo, lucrar e inovar.

Por isso já sabe, né? É só dar um oi pra gente se precisar ver o tabuleiro do jogo lááá de cima – estamos prontos para ajudar 🦒

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.